Análise estratégica das empresas que oferecem serviços tecnológicos aos produtores rurais por meio de aplicativos móveis

Autores

  • Rodrigo da Silva Riquena Universidade Estadual Paulista (UNESP)
  • Amanda dos Santos Negreti Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Palavras-chave:

Produtor rural, Tecnologia, Serviços, Planejamento estratégico

Resumo

O uso de smartphones e tablets é cada vez maior na área agrícola, diante desse fator as empresas que oferecem produtos e serviços para esse setor estão se mobilizando para serem atuantes nessa nova realidade. Entretanto, as empresas que atuam no mercado rural, não possuem somente o objetivo de auxiliar os produtores rurais, ao fornecerem serviços, por meio de aplicativos tecnológicos móveis, foi preciso identificar a atuação estratégica dessas empresas como oportunidade de mercado na venda de seus produtos no setor agrícola. Portanto, esse artigo teve por objetivo identificar o planejamento estratégico das empresas tecnológicas ao oferecer serviços, por meio de aplicativos, aos produtores rurais. O caminho metodológico utilizou-se de abordagem qualitativa, com objetivo exploratório e descritivo e uso da análise de conteúdo dos sites das referidas empresas estudadas. Esse trabalho concluiu que as empresas ao oferecerem serviços tecnológicos aos produtores rurais, utilizam esses serviços estrategicamente como fator publicitário, sem o conhecimento das reais necessidades dos produtores rurais.

Biografia do Autor

Rodrigo da Silva Riquena, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Possui graduação em Sistemas de Informação pela Faculdade de Ciências, Contabilidade e Administração de Tupã (2009).Tem experiência na área de Ciência da Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: android, tecnologia móvel, engenharia reversa, delphi, análise e desenvolvimento de sistemas e tradução de programa. Pesquisa sobre extensão rural, tecnologia, desenvolvimento rural sustentável e agricultura familiar

Amanda dos Santos Negreti, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Universidade Estadual Paulista. Programa de Pós-Graduação em Agronegócio e Desenvolvimento. Mestranda em Agronegócio e Desenvolvimento.

Referências

ANATEL. Relação de Municípios com área rural atendida – maio 2015. 2015. Disponível em: <http://www.anatel.gov.br/institucional/index.php?searchword=rural&searchphrase=all&Itemid=181&option=com_search>. Acesso em: 25 ago. 2015.

BARDIN, L.Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

CASSELL, C.; SYMON, G. Qualitative methods in organizational research. London: Sage Publications, 1994.

CORAL, E. et al. Modelo de planejamento estratégico para a sustentabilidade empresarial. 2002.282 f. Tese (Doutorado em engenharia de produção) – Universidade Federal de santa Catarina, Florianópolis, 2002.

COUGHLAN, A. T. et al. Canais de marketing e distribuição. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

FERNANDEZ, G. L.; FLORES-CERDA, R. Individual and organizational factors associated with the adoption and use of computers in mexican agribusiness. In: INTERNATIONAL CONFERENCE COMPUTERS IN AGRICULTURE, 7th., Orlando, Florida, October 26-30, 1998. St. Joseph, Michigan: American Society of Agricultural Engineers. 999 pages.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasília, DF, 2015.

KALAKOTA, R.; ROBINSON, M. M-business: tecnologia móvel e estratégia. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KLEMENT, C. F. F.; YU, A .S. O. Influências da tecnologia para a inovação em serviços. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 101-115, 2008.

LECHETA, R. R. Google Android. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2010.

NETO, M. C. et al. Computação móvel em agricultura. Revista de Ciências Agrárias, Lisboa, v. 30, n. 1, p. 111-120, 2007.

PORTER, M. E.; MILLER, V. E. How information gives you competitive advantage.

Harvard Business Review, n. 85415, p. 149-152, 1985. Disponível em: <http://faculty.yu.edu.jo/iaad/Lists/Taught%20Courses/Attachments/5/Reading%205-How%20Information%20Gives%20You%20Comp-Fall2015.pdf>. Acesso em: 28 out. 2015.

PUTLER, D. S.; ZILBERMAN, D. Computer use in agriculture: evidence from Tulare County, California. American Journal of Agricultural Economics, Oxford, v. 70, v. 4, p. 790-802, Nov. 1988.

REINERT, J. P. Aplicativos publicitários interativos. Revista de Radiodifusão-SET, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 128-142, 2010. Disponível em: <http://www.set.org.br/revistaeletronica/index.php/revistaderadiodifusao/article/view/138/144 >. Acesso em: 28 out. 2015.

SAES, M. S. M. Estratégias de diferenciação e apropriação da quase-renda na agricultura: a produção de pequena escala. 2008. Tese (Livre docência em Administração) –Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://pensa.org.br/wp-content/uploads/2011/10/Estrategias_de_diferenciacao_e_apropriacao_da_quase_renda_na_agricultura_a_producao_em_pequena_escala_2008.pdf>. Acesso em: 24 out. 2015.

SILVEIRA, A. C.; SCHWARTZ, Clarissa. TICs e relações afetivo-produtivas na agricultura familiar: enfrentando o isolamento e a exclusão digital. In: II Conferência do Desenvolvimento. Brasília. 2011.

SUAREZ, S. A.; SUAREZ, A. M. The impact of mobile phone apps in the agricultural production. DAAAM International Scientific Book, 2013.

WARREN, M. F. E-farming or e-folly? adoption of internet technology by farmers in England. Newton Abbot, Devon, UK University of Plymouth. Retrieved November, v. 3, p. 2004, 2000.

ZAZUETA, F. S.; VERGOT III, P. Use of handheld computers in agricultural extension programs. In: INTERNATIONAL CONFERENCE OF EUROPEAN FEDERATION FOR INFORMATION TECHNOLOGY IN AGRICULTURE, 4th., EFITA Conference 5-9. July 2003, Debrecen, Hungary, 899, ad hoc network for agriculture, 2003. p. 12-16.

Downloads

Publicado

2016-03-22