Atuação político-institucional em tempos de mídias sociais: A experiência da articulação no semiárido brasileiro – ASA

Autores

  • Daniel José do Nascimento Ferreira Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Marcos Roberto Pires Gregolin Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Palavras-chave:

Agricultura Familiar, Movimentos Sociais, Mídias Sociais, Facebook

Resumo

O presente trabalho analisou o Facebook do movimento social de agricultura familiar, a Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), com a proposta de compreender em que medida o espaço dessa mídia social contribui e influência para a legitimação e a propagação do seu projeto político. Metodologicamente, refere-se a uma pesquisa qualitativa a partir de uma dada realidade empírica, em que se utilizou de análise de conteúdos do Facebook e de aportes teóricos para fundamentar a discussão. O estudo evidenciou que os conteúdos postados na fan page remetem às bandeiras e às causas de luta da ASA, ou seja, conectam-se com o seu projeto político-institucional, principalmente com a pauta da convivência com o Semiárido, e seus diversos temas relacionados a esta perspectiva, como a agricultura familiar agroecológica, tecnologias sociais, povos tradicionais, sementes crioulas, juventude do campo e agricultoras agroecológicas. Por tanto, este artigo concluiu que essa mídia social serve para validar e propagar o projeto político-institucional da ASA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel José do Nascimento Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural. Mestre em Extensão Rural e Desenvolvimento Local.

Marcos Roberto Pires Gregolin, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural. Mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável e Doutorando em Extensão Rural.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luiz Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BIMBER, B. The study of information technology and civic engagement. Political Communication, v. 17, n. 4, p. 329-333, 2000.

CAMINADA, T. A. Twitter e eleições: a influência da atuação em redes sociais no desempenho dos candidatos da região da AMFRI em 2010. 2011. 57 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2011.

CASTELLS, M. O “verdejar” do ser: o movimento ambientalista. In: CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 141-168.

GARCIA, P. R. R. Você já nasceu nas redes sociais? In: GIARDELLI, Gil (Org.). Redes sociais e inovação digital. São Paulo: Gaia Creative, 2011. p. 69-70.

GOHN, M. G. ONGs, Sem-Terra e cidadania. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

KANTER, B.; FINE, H. A. Mídias sociais transformadoras: ação e mudança no Terceiro Setor. São Paulo: Évora, 2011.

KIENTZ, A. Comunicação de massa: análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Eldorado, 1973.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: ARTMED ; Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1999.

MACHADO, J. A. S. Ativismo em rede e conexões identitárias, novas perspectivas para os movimentos sociais. Sociologias, Porto Alegre, ano 9, n. 18, p. 248-285, jul./dez. 2007. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/5657/3256>. Acesso em: 1 nov. 2017.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Tradução Laura Bocco. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARTINS, J. S. Caminhada no chão da noite: emancipação política e libertação nos movimentos sociais do campo. São Paulo: HUCITEC, 1989.

NORRIS, P. Preaching to the converted?: pluralism, participation and party websites. Party Politics, Thousand Oaks, v. 9, n. 1, p. 21-45, 2003.

NORRIS, P. A virtuous circle: political communication in post industrial societies. New York: Cambridge University Press, 2000.

PRAZERES, M. Um mundo de mídia: diálogos sobre comunicação e participação. São Paulo: Global, 2009.

RAMPAZZO, L. Metodologia científica: para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

SCHEUFELE, D. A.; NISBET, M. C. Being a citizen online: new opportunities and dead ends. Harvard International Journal of Press/Politics, Berlin, v. 7, n. 3, p. 55-75, 2002.

VASCONCELOS, E. M. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado

2017-12-12

Edição

Seção

Artigo