Quebradeiras de coco babaçu na Internet: a ação do MIQCB nas redes sociais digitais

Autores

Palavras-chave:

Quebradeiras de coco babaçu, Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, Comunicação Comunitária, Redes sociais digitais

Resumo

O presente trabalho tem como proposta apresentar a ação do Movimento Interestadual de Quebradeiras de Coco Babaçu nas redes sociais digitais. É uma pesquisa bibliográfica e qualitativa, que apresenta o babaçu, palmeira da família Arecaceae, como responsável pela fonte de renda das quebradeiras de coco. Explica-se o trabalho das quebradeiras de coco babaçu, mulheres rurais de comunidades agroextrativistas inseridas em diversas dimensões contextuais, tais como questões de gênero, reforma agrária e sustentabilidade. Aborda-se a história, missão e estrutura do movimento de quebradeiras, discorrendo-se também sobre o conceito de comunicação comunitária. A partir de considerações sobre o uso das TIC na comunicação comunitária, é feita uma discussão sobre a ação do movimento de quebradeiras nas redes sociais digitais que, compartilham pautas, produtos e ideais. A presente abordagem entende as atividades do movimento de quebradeiras na internet como uma estratégia de comunicação comunitária. A conclusão sustenta que o movimento de quebradeiras realiza ativismo digital e usa as redes sociais digitais para divulgar a importância das suas práticas e saberes ancestrais.

Biografia do Autor

Raysa Beatriz da Silva Lemos, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Bacharel em Biblioteconomia. Mestranda em Ciência da Informação na UFAL – Universidade Federal de Alagoas. E-mail: raysablemos@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8097-8062.

Magnolia Rejane dos Santos Andrade, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Doutora em Comunicação e Semiótica. Professora na UFAL – Universidade Federal de Alagoas. E-mail: magnolia@reitoria.ufal.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5272-441X.

Referências

BARBOSA, V. O. Na terra das palmeiras: gênero, trabalho e identidades no universo das quebradeiras de coco babaçu no Maranhão. Jundiaí: Paco Editorial, 2018. 220p.

BERNARDES, F.; BARBOSA, C. Movimentos sociais na era da Internet: por todas as formas de ativismo. Revista Mídia e Cotidiano, v. 12, n. 1, p. 6-23, abr. 2018. Disponível em: https://periodicos.uff.br/midiaecotidiano/article/view/9859. Acesso em: 22 out. 2021.

BERRÊDO, E. S. A. O MIQCB: aspectos organizativos e o processo de organização do movimento. 2017. 110 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017. Disponível em: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/1587. Acesso em: 21 out. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, compilado até a Emenda Constitucional no 106/2020. Brasília, DF: Senado Federal, 2016. 498 p. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRASIL. Decreto no 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 316, 8 fev. 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 24 jul. 2020.

CAMPELO FILHO, E. et al. Economia solidária: a realidade das quebradeiras de coco babaçu no interior do Brasil. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Maringá, v. 11, n. 4, p. 1239-1257, out./dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/rama/article/view/5905. Acesso em: 15 out. 2021.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013. 349p.

CORDEIRO, L. S. Cenário das patentes relacionadas ao babaçu indexadas na base de dados Derwent Innovations Index. 2021. 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/223686. Acesso em: 21 out. 2021.

COSTA, M. X.; MATTEDI, A. P. As TICs e a comunicação comunitária: uma análise do uso das tecnologias para a comunicação como direto do cidadão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba. Anais […]. Curitiba: Universidade Positivo, 2017. Disponível em: Acesso em: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0666-1.pdf. Acesso em: 28 out. 2021.

DOIMO, A. M.; MILTRE, M.; MAIA, R. Movimentos sociais, internet e novos espaços públicos: o caso da DH net. In: DIAS, L. C.; SILVEIRA, R. L. L. (org.). Redes, sociedades e territórios. 3. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2021. p. 178-201.

IANDAZA, E. E. S. et al. (org.). Quebradeiras de coco babaçu. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2020. 24 p. (Série Cadernos Vivência Amazônica, v. 1). Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/39331?locale=en. Acesso em: 10 out. 2021.

MATOS, F.; SHIRAISHI NETO, J.; RAMOS, V. Acesso à terra, território e recursos naturais: a luta das quebradeiras de coco babaçu. São Paulo: ActionAid, 2015. Disponível em: https://actionaid.org.br/wp-content/files_mf/1493418575quebradeiras_actionaid_port_rev1.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

MIQCB. Quem somos nós? São Luís, 2019. Disponível em: https://www.miqcb.org/sobre-nos. Acesso em: 21 out. 2021.

NUNES, M. L. S. Terra, cultura e coletividade: proteção dos saberes e práticas tradicionais das quebradeiras de coco babaçu. E-Civitas, Belo Horizonte, v. 13, n. 2, dez. 2020. Disponível em: https://revistas.unibh.br/dcjpg/article/view/2221/pdf000. Acesso em: 22 out. 2021.

PERUZZO, C.M. K. Comunicação comunitária e educação para a cidadania. Comunicação e sociedade, Braga, v. 14, n. 2, p. 651-688, 2000. Disponível em: https://revistacomsoc.pt/article/view/939. Acesso em: 28 out. 2021.

PERUZZO, C. M. K. Mídia comunitária, liberdade de comunicação e desenvolvimento. In: PERUZZO, C. M. K.; ALMEIDA, F. F. (org.). Comunicação para a cidadania. São Paulo: Intercom; Salvador: UNEB, 2003.

PERUZZO, C. M. K. Revisitando os conceitos de comunicação popular, alternativa e comunitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília, DF. Anais […]. Brasília, DF: UNB, 2006. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/116338396152295824641433175392174965949.pdf. Acesso em: 6 ago. 2021.

PERUZZO, C. M. K. Movimentos sociais, cidadania e o direito à comunicação comunitária nas políticas públicas. Revista Fronteiras – Estudos Midiáticos, São Leopoldo, v. 11, n. 1, p. 33-43, jan./abr. 2009. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/5039. Acesso em: 28 out. 2021.

PERUZZO, C. M. K. Comunicação nos movimentos sociais: o exercício de uma nova perspectiva de direitos humanos. Contemporânea Revista de Comunicação e Cultura, v. 11, n. 1, p. 138-158, jan./abr. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/6980. Acesso em: 22 out. 2021.

RAMALHO, L. F. Comunicação comunitária, internet e novas tecnologias: um caminho possível. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE MÍDIA CIDADÃ, 10.; CONFEÊNCIA SUL-AMERICANA DE MÍDIA CIDADÃ, 5., 2015, Bauru. Anais […]. Bauru: UNESP, 2015. Disponível em: https://abpcom.com.br/wp-content/uploads/2020/04/dt4-2.pdf. Acesso em: 28 out. 2021.

SOUZA, E. C. M. de. Amêndoa de babaçu. Boletim da Sociobiodiversidade, Brasília, DF, v. 3, n. 1, 2019. p. 1-48, jan./fev./mar. 2019. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista/boletim-da-sociobiodiversidade/boletim-sociobio/item/download/25532_186635cda816926de9dca096af05711d. Acesso em: 24 jul. 2020.

SERRA, F. R. Babaçu. Boletim da Sociobiodiversidade, Brasília, DF, v. 5, n. 1, p. 1-24, abr. 2021. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista/boletim-da-sociobiodiversidade/boletim-sociobio/item/download/36671_5e5a7d43fb46c546e096f7828b24f9da. Acesso em: 15 out. 2021.

SILVA, L. A. Movimento interestadual das quebradeiras de coco babaçu: mulheres, trabalho e informação. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/IBICT_6098b1d514acbf589683dcfab3c900a3. Acesso em: 24 jul. 2020.

SILVA, L. A. Mulheres quebradeiras de coco babaçu e movimentos sociais. P2P & Inovação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 161-176, mar./set. 2017. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/3817. Acesso em: 22 out. 2021.

SILVA, E. M. S; NAPOLITANO, J. E.; BASTOS, S. (org.). Pequenos projetos ecossociais de quebradeiras de coco babaçu: reflexões e aprendizados. Brasília, DF: ISPN, 2016. Disponível em: https://ispn.org.br/cartilha-quebradeiras-de-coco/. Acesso em: 25 jul. 2020.

SILVA NETA, M. Q. Sou uma mulher praticamente livre. Rio de Janeiro: Casa 8, 2018. E-book (100 p.). (Coleção Narrativas das Quebradeiras de Coco Babaçu, n. 1). Disponível em: http://novacartografiasocial.com.br/download/01-sou-uma-mulher-praticamente-livre-maria-querobina-da-silva-neta/. Acesso em: 20 ago. 2020.

SHIRAISHI NETO, J. Quebradeiras de coco: “babaçu livre” e reservas extrativistas. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 14, n. 28, p.147-166, jan./abr. 2017. Disponível em: http://revista.domhelder.edu.br/index.php/veredas/article/view/920. Acesso em: 10 out. 2021.

Publicado

2022-01-03

Edição

Seção

Artigo